Skip to main content

Manjula Pradeed

La hindú Manjula Pradeed, de la casta dalit, trabaja como abogada en la defensa de decenas de mujeres y niñas de su casta, víctimas de violencia sexual. Cada día cuatro mujeres o niñas dalit son violadas, según las Naciones Unidas. Ellas padecen lo que se conoce como la “triple discriminación”: de casta, de clase y de género.

"Não tenho sido bem tratada pelos homens da minha comunidade, especialmente aqueles com quem trabalhei. Encontrei cartazes fora do trabalho dizendo sobre mim que eu não era uma pessoa com uma reputação confiável. Se você é uma mulher jovem, corajosa e honesta, os outros a temem".

Manjula Pradeep trabalha há duas décadas como advogada e presidente da Navsarjan Trust Foundation, defendendo os direitos das mulheres Dalit ou "intocáveis": a casta mais baixa da Índia, à qual ela também pertence.

Os intocáveis da Índia não têm o direito de acesso à saúde, educação, terra e moradia... "Eles sofrem muita discriminação porque as leis que protegem seus direitos não são efetivamente implementadas", diz Manjula. Ela se tornou uma advogada motivada por seu desejo de defender os direitos das pessoas de sua comunidade. Manjula está de visita a Madri onde participará da palestra "Mulheres contra a impunidade".

Desde então até agora, seu trabalho com dezenas de mulheres e meninas Dalit vítimas de violência sexual lhe rendeu vários prêmios: em 2011, ela recebeu o prêmio Women PeaceMaker Award da Joan B. Kroc School of Peace Studies, da Universidade de San Diego (EUA). E o Navsarjan Trust, que ela dirige, recebeu o prêmio Times of India Award for Social Impact in the field of Advocacy and Empowerment em 2013.

Manjula obteve reconhecimento internacional como advogada em 2008, quando ela conseguiu prender sete professores que haviam violado um de seus alunos de 17 anos. As violações tinham sido sistemáticas durante 10 anos, e não apenas contra ela, mas também contra seus colegas de classe. Mas esta garota foi a única que ousou falar. Quando Manjula a visitou no hospital, ele ficou impressionado com sua fragilidade e sua voz desesperada. Ela estava clamando a ele por ajuda.

"Enquanto ela me abraçava com força, eu sentia a dor dolorosa que ela estava sentindo". Foi a crueldade e a falta de compreensão demonstrada por seu pai para com esta jovem vítima, e a atitude da polícia e dos vizinhos em relação a ela, que finalmente convenceram Manjula. Ela se dedicou de corpo e alma para conseguir justiça para a jovem garota. E ela conseguiu: os sete estupradores foram condenados a 14 anos de prisão. "Foi um caso que abriu precedentes na história da justiça indiana", diz Manjula.

Apesar disso, não conseguiu mudar a lei na Índia, que ainda é muito permissiva. "Mas trouxe mais atenção ao estupro e abuso sexual de mulheres e meninas, de modo que cada vez mais casos estão sendo relatados em Gujara" (o estado indiano ocidental onde isto aconteceu e de onde Manjula é originário).

Este caso foi seguido por mais. Um dos dois casos que Manjula lembra com particular interesse foi o de uma menina de 14 anos que foi raptada por cinco homens para ser vendida para exploração sexual. Após um ano de procura por ela, seu paradeiro foi encontrado e os homens foram levados a julgamento. Quando a adolescente voltou, sua mãe a jogou para fora de casa. Desde então, a fundação que Manjula dirige tem lhe dado o apoio de que ela precisa.

O segundo caso é o de outra menina de 17 anos que foi raptada por quatro homens. Depois de resgatá-la, eles perceberam que o seqüestro a havia feito perder sua estabilidade mental. Desde então, a fundação que Manjula dirige tem lhe proporcionado tratamento psicológico e um lugar seguro onde ela pode reconstruir sua vida. "Neste caso, não conseguimos fazer justiça, mas conseguimos levar a garota ao ensino superior.

Manjula agora passa muito tempo tentando apoiar o empoderamento das mulheres Dalit. Eles planejam fazer campanha contra a violência contra as mulheres em cerca de 600 vilarejos rurais no estado de Gujarat. Eles também planejam criar um conselho dos direitos da mulher Dalit, liderado pelas próprias mulheres Dalit.

"CADA VEZ MAIS MULHERES DALIT SE LEVANTAM".

"Cada vez mais mulheres Dalit se levantam para fazer valer seus direitos e, assim, ajudar outras mulheres que estão na mesma situação que elas", diz Manjula. Ela acredita que a melhor maneira de fazer isso é estar com eles, escutando-os e acompanhando-os no processo. "A primeira coisa em que me concentro quando trabalho com mulheres é tentar curar suas mentes e corações, que são muito prejudicados por toda a humilhação que sofreram desde que eram crianças.

De lá vem um processo de aceitação individual, primeiro de tudo, e depois a consciência coletiva de que é necessário lutar por seus direitos. "Isto é fundamental para alcançar uma mudança social transformadora".

Dentro da população Dalit, as meninas e mulheres são as mais subvalorizadas. Eles sofrem do que é conhecido como "tripla discriminação": casta, classe e gênero. Na Índia, estima-se que existam cerca de 100 milhões de mulheres Dalit, das quais apenas 9% são alfabetizadas. "Ser uma mulher de casta Dalit na Índia significa ser escrava dos escravos", diz Manjula categoricamente.

Como mulher Dalit, ela mesma sabe como é ser humilhada. Quando criança, ela foi abusada sexualmente por quatro homens em sua vizinhança e, enquanto estudava para o primeiro grau em assuntos sociais, ela descobriu como os de sua casta eram tratados muito pior nas faculdades, algo que ela se lembra com muita dor.

Ela também sofreu o mal-entendido de sua família, especialmente seu pai, que tinha um futuro muito diferente para Manjula do que aquele que ela estava forjando para si mesma. "Meu pai queria que eu fosse um funcionário público, como ele tinha sido". Ele é muito pessimista e acredita que meu trabalho não vai fazer diferença na vida dos Dalits".

Seu relacionamento com seu pai foi cortado quando, em 2012, os serviços secretos de inteligência - que estavam espionando Manjula para ver quais eram suas intenções para seu trabalho - vieram até a casa de seus pais. "Meu pai me disse para deixar aquele emprego ou sair de casa", disse ela. Ela optou por esta última. Ainda hoje, o conflito com seu pai continua não resolvido. "Ele não está pronto para me ouvir ou me entender", diz ela.

Manjula vive sob ameaça por causa de seu trabalho. Em 1999, ele foi atacado por grupos de direita por ajudar legalmente os trabalhadores Dalit em condições de trabalho semi-escravo. Manjula está consciente de que seu trabalho carrega riscos, "eu o aceito e tento usar a sabedoria de minha mente e coração para seguir em frente", diz ele.

fonte: http://www.pressenza.com/es/2014/10/ser-una-mujer-casta-dalit-en-india-significa-ser-esclava-los-esclavos/

  • Acessos 272

Compartilhe este conteúdo com seu contatos!